Seu link, é um link?

Jorge Marmion


Há algum tempo recebemos uma solicitação de divulgação das atividades de uma ONG. Atendemos o pedido, e o primeiro parágrafo da notícia publicada em nosso portal dizia:

"Já estão abertas as inscrições para o próximo Curso de Seleção para Voluntários do Centro de Apoio à Vida, que será realizado no mês de Junho de 2003."

Dois dias depois recebemos um e-mail da entidade, agradecendo a divulgação mas alertando-nos que "Faltou divulgar nosso site: www.centrodeapoioavida.kit.net". Confesso que não entendi muito bem a colocação, já que tinha certeza que o site tinha sido divulgado, mas mesmo assim respondi que ao clicar em Centro de Apoio à Vida, o site da entidade abriria em uma nova janela. A resposta não demorou em chegar: " Obrigada por sua msg e dica. Sou mesmo uma internauta de 1a. viagem... "

Falha nossa! Quantos "internauta de 1a. viagem" devem ter deixado de visitar a página da entidade devido ao mesmo desconhecimento da remetente? Como evitar este problema?

Nosso erro, ao divulgar a notícia, foi desconsiderar a diversidade da platéia. O que para nós, e talvez para muitos, era óbvio, para outros era incompreensível.

Conheça seus usuários !

Um dos elementos fundamentais que o projetista deve considerar quando desenvolve o diálogo entre o sistema e o usuário é a composição da platéia. Há homogeneidade no grupo de usuários? Qual o nível de habilidade no acesso à Internet? E no uso do computador?

Exemplos:

Site com informações exclusivas para médicos: Grupo homogêneo, com diferentes níveis de uso do computador e acesso a internet.

Intranet com ajuda e dicas técnicas para Analistas de Sistemas que desenvolvem na plataforma Oracle: Grupo homogêneo, com conhecimento profundo do uso do computador e acesso a internet.

Site de Instituição Bancária: Grupo heterogêneo, com diferentes níveis de uso do computador e acesso a internet.

Todo o projeto da interface -incluindo as palavras e frases a serem utilizadas- deve ser feito considerando a diversidade cultural da platéia. Neste artigo, trataremos de como apresentar links a usuários com pouco ou nenhuma experiência na manipulação de páginas hipertexto.

Como abrir

Ao especificar um vínculo (link):

  • Especifique claramente a ação a executar: Clique e leia mais detalhes na edição de hoje do jornal O Estado de São Paulo
  • Se você faz referência a um assunto específico, vincule diretamente à página que trata do assunto relacionado (o que costuma-se chamar "Deep Linking").
    O que não fazer: "Segundo afirma O Estado de São Paulo (www.estado.com.br) na edição do dia 3 de Janeiro de 2003, o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, afirmou, em seu discurso de posse, que seu desafio e compromisso é "Libertar as amarras que nos condenam a um crescimento medíocre e a uma desigualdade inaceitável". Este vínculo deixa ao usuário a tarefa de pesquisar o site para encontrar a edição referenciada, e ainda pesquisar seqüencialmente as notícias desse dia até achar (com sorte) a que se refere o parágrafo.
    O que fazer: "Segundo afirma O Estado de São Paulo na edição do dia 3 de Janeiro de 2003 , o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, afirmou, em seu discurso de posse, que seu desafio e compromisso é "Libertar as amarras que nos condenam a um crescimento medíocre e a uma desigualdade inaceitável".
    Ou, melhor ainda: "Segundo afirma O Estado de São Paulo na edição do dia 3 de Janeiro de 2003, o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, afirmou, em seu discurso de posse, que seu desafio e compromisso é"Libertar as amarras que nos condenam a um crescimento medíocre e a uma desigualdade inaceitável" " .
    Esta última versão é melhor já que não interrompe a leitura, quando esta está ainda incompleta, com um desvio por impulso. Somente ao final, quando todas as informações já foram oferecidas ao internauta, lhe é oferecida ao internauta a possibilidade de conferir maiores detalhes.
  • Faça referência explícita ao site vinculado: "Já estão abertas as inscrições para o próximo Curso de Seleção para Voluntários do Centro de Apoio à Vida (http://www.centrodeapoioavida.kit.net), que será realizado no mês de Junho de 2003." No pior dos casos, caso o internauta desconheça a possibilidade de clicar sobre o link para abri-lo automaticamente, poderá digitar o endereço do site na área respectiva do browser.
  • As referências à páginas internas de um site, devido à sua extensão, devem ser efetuadas preferivelmente implícitas.
    Referência explícita: "Alergia sob controle: você pode evitar que seu filho sofra com a alergia se começar a tratá-lo desde a hora em que ele nasce. Confira clicando aqui"
    Referência implícita: " Alergia sob controle: você pode evitar que seu filho sofra com a alergia se começar a tratá-lo desde a hora em que ele nasce. Clique e leia a matéria publicada no site ClicFilhos".

Onde abrir

Onde abrir o site vinculado? Na janela corrente ou em uma nova janela? A decisão poderia ser deixada para o usuário: clicando o botão direito do mouse sobre o link, o usuário pode decidir abrir a página ou site na própria janela ou em uma nova instância do browser. Entretanto, esta orientação somente é válida quando a platéia é composta de usuários com bastante experiência na utilização do browser. A grande maioria dos usuários leigos não tem a menor idéia dos recursos do navegador. Poucos sabem que a tecla F5 recarrega novamente a página; menos ainda que é possível clicar o botão direito do mouse sobre um link.

Ao decidir onde abrir um link, considere:

a. Se a página a ser aberta é um substitutivo natural da página corrente, abra-a na mesma janela (por exemplo, a segunda tela de um formulário, a próxima página de um e-book, etc.)

b. Se a página a ser aberta complementa parcialmente informações da tela atual, abra-a em uma nova janela, preferivelmente com um tamanho menor que a janela corrente (exemplo) para não perder o contexto.

c. Links a sites externos devem ser preferivelmente abertos em uma uma nova janela. Exemplo: link ao site de um resort no site de uma agência de viagens.


Gostaríamos de ouvir sua opinião sobre este artigo.

Conteúdo

Utlilidade


Entre em contato com o(a) autor(a) deste artigo

Convide um amigo ou colega para ler este artigo

Imprima este artigo


Topo da página

(c) 2003-2006 IBRAU - Instituto Brasileiro de Amigabilidade e Usabilidade. Todos os direitos reservados.

(c) 2006 IBRAU - Instituto Brasileiro de Amigabilidade e Usabilidade. Todos os direitos reservados.

Fale com o(a) colunista.

Você gostou do artigo Análise da usabilidade de uma aplica o de registro de sorteio?

A seguir os dados são opcionais

Deseja enviar uma mensagem a Jorge Marmion?

Seu nome:

E-mail

A produção do site não comercializará o endereço de e-mail acima, nem enviará correspondência indesejada

Preencha os dados abaixo e enviaremos à pessoa que você indicar um e-mail convidando-a a visitar o site e ler este artigo.

Seus dados:

Seu nome:

E-mail

Os dados da(s) pessoa(s) que você quer convidar:

Seu nome:

E-mail

Caso deseje convidar mais de uma pessoa, digite os endereços de e-mail separados por vírgula, sem espaços em branco
(exemplo: joão@uol.com.br,pedro@aol.com)

Caso deseje, envie uma mensagem junto com o convite

A produção do site não comercializará nenhum dos endereços de e-mail acima informados nem enviará correspondência indesejada aos mesmos.